terça-feira, 18 de novembro de 2008

moça das águas

irriga a vertente negra de espumas
minúscula morenice
umidade
em âncoras esquecidas,
no mar somente, onda
de textura palpitante,
viço amornado de espessuras.
-não foi o breu arisco a ferir os mercadores de gotas,
nem a clorofila abundante foi à que emanava nuvem crua,
noite fria- não resguardaria
o ímpeto escaldante no peito.
/o feitiço virou e disse: vai que por ti não há tempo ou final
no meu rol de caracóis/
nem a água curou as feridas,
nem o céu supriu tanto partimento agora mais vivo do que antes.

e nada pensa que não.
esquece e lânguida, corre...
sem falsas nódoas, canta...
e dilacera a mais alegre quimera que dura
o tempo de mil vidas merecidas, o coral do riso.
e do lábio arisco de tanto risco tonto, beija...
o beijo que ofusca no olho que briga e promete
o ventre de areias e algas e sal,
o breu jovem de uma nuvem,
o manto brusco do assovio triste,
não mais triste que um eu só.
negrume: fértil nascente do sândalo noturno.
moça, de sandálias e sementes
de um adeus útil
não mais fútil que um eu vestido.
breu de cílios longos, manto,
não mais santo que um eu distante.

5 comentários:

neo-orkuteiro disse...

Deleitoso, Terê, nada menos, achei o que acabo agora de ler aqui.

A cada passo, a atenção é convidada a deter-se um pouco. Aceitei então cada convite. Li bem de vagarinho. Ah!

Deve haver um óleo sobre tela sua por trás destas imagens. Você pinta com palavras também.

Detive-me um pouco mais demoradamete ante seu "adeus útil".

neo-orkuteiro disse...

Deleitoso, Terê, nada menos, achei o que acabo agora de ler aqui.

A cada passo, a atenção é convidada a deter-se um pouco. Aceitei então cada convite. Li bem de vagarinho. Ah!

Deve haver um óleo sobre tela sua por trás destas imagens. Você pinta com palavras também.

Detive-me um pouco mais demoradamete ante seu "adeus útil".

Lu Cavichioli disse...

Curioso como algumas pessoas só nos visitam quando nós a visitiamos?!

Boa tarde Tere!

Tere Tavares disse...

João,
As tintas ficam por conta da imaginação que, sim, se reverte em novos matizes e leituras. Obrigada pela presença.
Abraços

Tere Tavares disse...

Lu,
A cortesia integra o bom convívio, ir e vir, trocar e compartilhar, trafegam em linhas paralelas.
Beijos