segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Para cada momento uma palavra


Para cada momento uma palavra
As formas de grafar o tempo:
este canto infinito que detém o comando,
este Deus que, em cada partícula, imprime a sua marca.
Eu o vejo nesta bela colina antes mesmo de ser mencionado.
Observo a graciosidade que se desprende da sua plenitude
como se pudesse sujeitar à razão o que é isto.
E é um juízo final que não chega
e chega com verbos e rubores
ou a tal ponto cede ao delírio
que esta mínima parte
deste Deus que me habita
tem livre expressão
e me guia docemente.

(Poema do livro "Meus Outros"-TT)

Um comentário:

Lu Cavichioli disse...

Oi Tere, a tua prosa enternece.

Me visite, estou à tua espera!
Bj de saudade.