terça-feira, 7 de agosto de 2007

Poema

Sou o que não permanece

as coisas que digo
não me dizem
já as que calo me contam
e as que contam de mim não sou eu
e se dizem e é verdade
em seguida é mentira
porque já terei sido antes
o que agora não sou mais
penso ser aquilo que faço
e o que deixo de fazer
é algo meu que não nasce

Poema do Livro "Flor Essência-
Tere Tavares"

3 comentários:

Madalena Barranco disse...

Tere, querida, o enigma deixa a poesia ainda mais bela. Beijos.

Lilian Regiane do Carmo disse...

Maravilha.
Gosto muito deste poema, Terê.

neo-orkuteiro disse...

Seu poema Poema postula questões filosóficas que dão que pensar, o ser e o vir a ser, essas coisas com algum traço do monólogo hamletiano que sempre terão sabor de profundidade, quanto mais em hábeis versos como estes.
Parabéns